2687
PT LOGIN LOGIN
Vol. XXII, Fasc. 1/2 (1973)

Vol. XXII, Fasc. 1/2 (1973)


Vol. XXII, Fasc. 1/2 (1973)Categoria: Publicações, Estudos, Notas e Trabalhos, 1970 a 1979

15.90

O preço inclui IVA à taxa legal em vigor.

Descrição

Artigos

1. Areias Brancas de Rio Maior. Aspectos Geológico-económicos
A. M. Galopim de Carvalho ; V. Botelho Pereira (84 páginas)
Resumo: A região de Rio Maior, onde se situa o jazigo em estudo, é o maior centro produtor português de areias brancas. Presentemente, daí provêm mais de metade da produção nacional daquelas areias e, dado os fins especializados a que se destinam, representam mais de três quartos do valor global da produção nacional. A lavagem destas areias fornece caulino, como subproduto valioso. A bacia de Rio Maior é constituída por depósitos de fácies continental de idade plio-plistocénica, entre os quais figura espessa camada de areias brancas, na parte inferior, e diatomitos e lignitos em camadas alternantes, na parte superior.No conjunto, estas formações encontram-se afundadas entre falhas, constituindo pequeno alvéolo abatido tectonicamente. O presente estudo baseia-se nos elementos fornecidos por 40 sondagens (num total de 1665 m), dispostas em 9 perfis transversais ao alongamento da bacia, e permite esboçar a configuração e avaliar a extensão do jazigo, com particular incidência na zona situada acima de 60 m de profundidade.
No que se refere às areias, as reservas estimadas são da ordem de 673 milhões de toneladas até 60 m, supondo-se poderem existir, ainda, mais cerca de 600 milhões de toneladas abaixo daquela profundidade.
Quanto ao caulino, os valores correspondentes, acima e abaixo daquela profundidade, são de, repectivamente, 54 e 50 milhões de toneladas, em números aproximados.
A qualidade destas matérias primas (areias e caulino) no que diz respeito às características químicas, mineralógicas, granulométricas, etc., confere-lhes interesse de há muito demonstrado pela procura que têm, em especial, por parte das indústrias do vidro, de fundição, de cerâmica, etc.

2. Novas Observações nos Depósitos Ceno-antropozóicos da Península de Setúbal
A. M. Galopim de Carvalho (6 páginas)
Resumo: Recent observations in the peninsula of Setúbal region shows that the Marco Furado formations are more modern (post-pliocene) than we have previously admited. A discussion concerning the stratigraphic position of similar formations is presented. The non-existence of the «fossiliferous beds of Coina» is make known.

3. Observações Sobre o Anticlinório de Estremoz. Alguns Aspectos Geológico Económicos dos Mármores
F. Gonçalves (12 páginas)
Resumo: Após breve sumário da geologia e da tectónica do anticlinório de Estremoz o autor apresenta a cartografia do maciço calcário, na escala de 1:25 000, entre Sousel e Alandroal, na extensão de 40 Km. Este levantamento permitiu, quanto aos mármores, delimitar a zona de exploração e definir a zona com interesse económico provável.

4. Um Caso de Pesquisa Orientada para o Antimónio e sua Utilidade na Prospecção Geoquímica
J. M. Santos Oliveira (26 páginas)
Resumo: Antes de principiar qualquer programa de prospecção geoquímica de certa amplitude, torna-se essencial investigar os factores que controlam a distribuição dos elementos químicos relevantes nos materiais a amostrar (rochas, solos, sedimentos, etc.) a fim de que a técnica a ser futuramente adoptada forneça a expressão óptima dessas distribuições, especialmente as que se relacionam com mineralizações (anomalias significativas). Um estudo desta índole toma vulgarmente o nome de pesquisa orientada.Este estudo constitui assim uma tentativa para obter um melhor conhecimento das características da dispersão geoquímica secundária do antimónio em solos e sedimentos, tendo as investigações sido conduzidas do ponto de vista relacionado com a aplicação de métodos geoquímicos na prospecção de novas ocorrências desse metal.
Em áreas fortemente mineralizadas, detectámos concentrações de Sb atingindo valores da ordem dos milhares de ppm em solos junto de estruturas com mineralização claramente exposta e teores de cerca de centenas de ppm em solos perto de estruturas com pouca possança ou então não aflorantes. Contudo, é de salientar o aparecimento de concentrações perto dos limites de fundo geoquímico em solos provenientes de locais afastados apenas pouco mais de uma centena de metros de mineralizações.
O estudo da variação do Sb em função das fracções granulométricas das amostras de solos determinou enriquecimentos na fracção mais fina (-200 mesh) na maioria dos casos observados. O cálculo do parâmetro contraste provou igualmente que essa fracção fornece, na generalidade, uma definição mais clara das anomalias e deverá ser portanto a fracção a utilizar na prospecção do antimónio. A amostragem nos dois horizontes típicos de solo que são em geral visíveis na região, mostrou um enriquecimento nítido de Sb no horizonte superior (de características fortemente húmicas) em relação ao horizonte inferior. Supomos que uma causa de natureza bioquímica será responsável por este enriquecimento, a qual terá originado uma concentração do antimónio no material húmico que resultou da acumulação e decomposição de vegetação no solo durante muitos anos.
Na generalidade, os solos estão enriquecidos em Sb quando comparados com as rochas que lhes deram origem por alteração. Os teores de Sb em sedimentos de linhas de água na vizinhança de minas antigas são sistematicamente bastante elevados (com valores que podem atingir 2% de Sb), o que foi ocasionado em grande parte por contaminação provocada por trabalhos mineiros. O estudo da distribuição do Sb em várias fracções granulométricas de sedimentos permitiu concluir da ocorrência de uma concentração preferencial do metal nas fracções mais finas e, por outro lado, o cálculo do contraste geoquímico conduziu a conclusões semelhantes.
Estas ilações indicam da conveniência em utilizar material desse calibre na prospecção geoquímica do antimónio, nos casos que englobem uma amostragem de sedimentos.


Contacto

Email: venda.publicacoes@lneg.pt
Telefone:  + 351 210 924 635


Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com